A escola de tempo integral

A escola de tempo integral

A primeira ideia que deve ser descartada na escola de tempo integral é a do aproveitamento do tempo para incluir mais aulas e mais disciplinas no currículo já saturado. Numa escola de tempo integral os alunos deverão continuar com um máximo de cinco aulas propedêuticas (aquelas que são o conhecimento básico das matérias que estudamos) por dia. O restante do tempo será dedicado a outras atividades de cunho cultural e ao estudo individual que é o que está faltando na escola brasileira. Em outros países ou o aluno estuda em casa e tem acompanhamento para esse fim, seja por internet, seja pela assistência dos pais, ou está na escola com a assistência dos professores. É importante informar que os alunos, enquanto em sala, estão entendendo os assuntos. Para aprender eles precisam de tempo para estudá-los. Ora, sem acompanhamento nesse estudo individual, as aulas de pouco adiantam. Não se estuda em aula. Trata-se de  grande engano defender que o aumento do número de aulas melhore o desempenho do aluno. O que muda é a existência ou não do tempo de estudo individual.

A escola de tempo integral, portanto, precisa ter espaço cultural, espaço para o aluno estudar (fazer exercícios) e espaço para recuperação. Facilita esse sistema o trabalho em núcleos. O aluno pode estar na escola do bairro num dos turnos e, no outro, frequentar um centro de estudos. A concentração de algumas disciplinas e atividades neste centro cria uma economia de escala. Por exemplo: língua estrangeira lecionada neste local, reunindo  alunos por nível, evita ter aulas com uma quantidade muito pequena, exigindo a contratação de mais professores; se no centro concentramos a educação física torna-se mais fácil e mais barato dispo- nibilizar professores e ter equipamentos muito melhores para uso dos alunos; o mesmo processo pode ser aplicado para aulas de artes e de computação.

O fato é que já fazemos o que os países desenvolvidos faziam há 60 anos: todas as crianças nas escolas, transpor- te, alimentação e material escolar. O que está faltando, e só uma escola de tempo integral pode proporcionar, é a adequação dos conteúdos ao desen- volvimento psicológico da criança, o acompanhamento do estudo individual e o aumento da oferta de conteúdos culturais e abrangentes.

Para escolas confessionais, como as Escolas Luteranas, o tempo integral proporciona uma série de vantagens para preleções, leituras bíblicas, cursos de formação para jovens e crianças. A criatividade do capelão da escola e sua equipe pode organizar um excelente programa de atividade anual.

Além disso, é importante verificar que, mesmo sem o estudo de tempo integral, podemos ter escolas com índices elevados nas avaliações oficiais, o que não descarta o modelo, porque essas escolas fazem parte de“ilhas de excelência” e não são o resultado comum esperado pelos avaliadores.

Authored by: hamiltonwerneck

Pedagogo, escritor e conferencista

Deixe uma resposta